REINAUGURAÇÃO DO TEATRO NELSON RODRIGUES COM “OS SETE GATINHOS”

teatro-nelson-rodriguesEm setembro o Teatro Nelson Rodrigues (RJ) será reinaugurado com a montagem de OS SETE GATINHOS, de Nelson Rodrigues, texto que em 2017 o texto completa 60 anos. A direção é de Bruce Gomlevsky. Com Tonico Pereira, Alice Borges, Gustavo Damasceno, Karen Coelho, Luiz Furlanetto, Jaime Leibovitch, Louise Marrie, Ingrid Gaigher, Jitman Vibranovski. #teatroSIM

VEM AÍ UM PAI (PUZZLE), COM ANA BEATRIZ NOGUEIRA

fotinhoHá seis anos, a atriz Ana Beatriz Nogueira teve o seu primeiro contato com o livro “Um pai” (“Un père – puzzle”, no original), escrito por Sibylle Lacan, filha do famoso psicanalista francês Jacques Lacan. Como se fosse um puzzle, o texto fragmentado expõe as memórias de uma relação entre pai e filha. São lembranças, alegres e tristes, de diferentes momentos da vida da escritora. Encantada com a obra, a atriz decidiu levar o depoimento comovente de Sibylle Lacan para o teatro, interpretando a própria autora. Com direção Vera Holtz e Guilherme Leme, o monólogo “Um Pai (Puzzle)” estreou em 2011 para uma temporada de grande sucesso de crítica e público no Teatro II do Centro Cultural Banco do Brasil RJ. A adaptação é do cineasta Evaldo Mocarzel.

VEM AÍ CAROLINA MARIA DE JESUS, O DIÁRIO DE BITITA

fotinhoA peça é uma adaptação das obras “Quarto de Despejo” e “Diário de Bitita” da escritora mineira Carolina Maria de Jesus (1914-1977). A encenação segue o fluxo de memória de Carolina, refazendo sua trajetória da infância miserável em Sacramento no interior de Minas, quando a chamavam de Bitita, até o lançamento do seu primeiro livro – com enorme sucesso. Uma história surpreendente e inspiradora: A menina que estudou apenas dois anos do primário virou uma grande escritora.

DEU A LOUCA NA BRANCA

fotinho2Sebastiana vem a público fazer uma revelação: ela é ninguém menos que a verdadeira Branca de Neve imortalizada por Walt Disney, e vai contar em detalhes como o cineasta americano fez dela a maior princesa de todos os tempos. Este é o mote de DEU A LOUCA NA BRANCA, comédia de Cacau Hygino com direção de Regiana Antonini que estreia dia 25 de agosto no Teatro FAAP, em São Paulo. A atriz encarna uma versão brasileira da heroína dos contos de fadas contracenando com as vozes em off de Paulo Gustavo (o espelho), Marcus Majella (padre Inácio), Rodrigo Fagundes (O Pequeno Príncipe), Renato Rabello (o apresentador do Oscar) e Caike Luna (Socialite Gilberto Ricardo).

O ESSENCIAL É INVISÍVEL AOS OLHOS

giphy (1) O ESSENCIAL É INVISÍVEL AOS OLHOS, da dupla VJ Suave, formada por Ygor Marotta e Ceci Soloaga, ocupa a Galeria 1 na CAIXA Cultural Rio de Janeiro de 15 de agosto a 15 de outubro. A partir da imersão no ambiente de uma floresta, a instalação convida o público ao autoconhecimento e à reflexão. A instalação, interativa, une tecnologia dos óculos de realidade virtual com animação 3D. Numa imersão na floresta encantada, o público passeia por um mundo mágico onde ele é o protagonista de seus caminhos e ações. Desenvolvida para realidade virtual, o visitante é levado a outra dimensão.

TUBARÕES

fotinhoO espetáculo TUBARÕES, uma criação dramatúrgica coletiva da autora Daniela Pereira de Carvalho junto ao elenco – Alexandre Varella, Alonso Zerbinato, Beatriz Bertu, Bianca Joy Porte, Christian Landi e Cirillo Luna – e ao diretor do espetáculo, Michel Blois, estreia dia 11 de agosto na Sala Multiuso do Sesc Copacabana. Através da história de um trio de amigos inseparáveis no passado que se reencontra vinte anos depois numa casa onde passou parte da juventude, a peça fala dos impactos causados pelo transbordamento dos desejos reprimidos e dos projetos de vida frustrados.

A ÚLTIMA SESSÃO

fotinhoInspirado pelo desejo de ver um grupo de grandes atores da maturidade reunidos no mesmo palco, Odilon Wagner, que se dedica a este projeto há mais de cinco anos, escreveu e dirige a peça A ÚLTIMA SESSÃO. A peça já foi vista por mais de 60.000 pessoas desde a sua primeira temporada, em 2014 no Teatro Frei Caneca, São Paulo, com novas temporadas em 2015 no Teatro Raul Cortez, também em São Paulo, e no SESC Paladium, em Belo Horizonte. O elenco é formado por atores que ajudaram a escrever a história do teatro e da TV brasileiros: Suely Franco, Suzana Faini (que acaba de ganhar o Prêmio APTR de Melhor Atriz por “O Como e o Porquê”), Miriam Mehler (que acaba de ganhar o Prêmio Shell de Melhor Atriz por “Fora do Mundo”),  Odilon Wagner, Antônio Pitanga, Tânia Bondezan, Daisy Lucidi, Rubens de Araújo e Regina Sampaio.

AS CRIADAS, com o Grupo Tapa

Foto - 9O espetáculo “As Criadas”, clássico da dramaturgia francesa escrito por Jean Genet em 1947, estreia dia 04 de agosto no Teatro Maison de France. A direção é de Eduardo Tolentino de Araújo, e no elenco estão as atrizes Clara Carvalho (indicada ao Prêmio APTR 2017 por seu trabalho em Anti-Nelson Rodrigues, também com o Grupo Tapa), Mariana Muniz e Emilia Rey. Depois de 36 anos, o texto de Jean Genet volta à casa de sua montagem histórica, em 1981, com Dina Sfat, Jacqueline Laurence e Suzana Faini, dirigidas por Gilles Gwizdeck. A peça conta a história das irmãs Clara e Solange, empregadas no luxuoso apartamento de Madame, por quem nutrem ao mesmo tempo ódio e adoração, e ocupam o pouco tempo livre de que dispõem travestindo-se com as roupas, jóias e maquiagens da patroa, imitando sua voz e seus gestos, num requintado procedimento lúdico e perverso cheio de suspense.

Luis Antonio – Gabriela

_PRI8044 (1) (1)

A peça de Nelson Baskerville recebeu os Prêmios Shell 2011 (Melhor Direção), APCA 2011 (Melhor Espetáculo); Cooperativa Paulista de Teatro (Melhor Direção e Projeto Visual); Governador do Estado de São Paulo (Melhor espetáculo pelo Júri Popular) e Prêmio APLGBT Cidadania em Respeito à Diversidade (Artes Cênicas), entre outros. Foi eleito como um dos melhores espetáculos do ano por Veja São Paulo, Estado de S.Paulo e Folha de São Paulo. Premiado e aclamado pela crítica e público em São Paulo ao longo de seis anos, a peça finalmente chega ao Rio para sua primeira temporada.

Ocupação Rio Diversidade

fotinhosDepois de passar por Nova York e São Paulo no primeiro semestre, a OCUPAÇÃO RIO DIVERSIDADE, idealizada pela dramaturga Márcia Zanelatto, volta ao Rio para curta temporada no Teatro Ipanema. Indicado ao Prêmio Shell na categoria Inovação e ao prêmio APTR na categoria Especial, o espetáculo reúne quatro peças curtas que celebram a diversidade sexual e de gênero. Textos dos dramaturgos Marcia Zanelatto, Daniela Pereira de Carvalho, Joaquim Vicente e Jô Bilac, com direção de Guilherme Leme Garcia, Renato Carrera, Cesar Augusto e Ivan Sugahara, respectivamente. Em cena estão Larissa Bracher, Kelzy Ecard, Thadeu Mattos e Gabriela Carneiro da Cunha, em apresentações solo.